St. Patrick - padroeiro de Evangelismo Servo por Steve Sjogren

St. Patrick Patrick viveu uma vida de tragédia se transformou em vitória. Isso é supostamente por isso que celebramos 17 de marco pela ingestão de alimentos irlandeses especiais e bebendo cerveja verde. Estes deveriam ser celebrações de uma vida redimida.

This time of year there is a lot of hoopla around a lot of silliness that has little to do with the origins of St. Patrick’s Day. Somehow I don’t think the real St. Patrick was all that excited about the color green. I’m pretty positive he wouldn’t pinch someone who wasn’t wearing green. I doubt he ever ate corned beef and cabbage. I’m not sure where those nutty traditions got started. They’re fun to do once a year but they have absolutely nothing to do with good ‘ol Patrick.

Yes he killed a few snakes as you have perhaps read, but that’s not what he was about. He was a champion of the underdog. He was all about liberating people who were stuck in sin, who were put down by an oppressive system. I relate to Patrick especially because he was someone who had been in slavery, he had gotten free, and now he was dedicated to liberating others from their captivity. Isn’t that what we are doing in evangelism? If we are up to anything it’s that we recognize in all humility that we are fairly messed up people who are in need of an intervention. We need saving. We don’t need a little bit of help or some reform. Like Patrick, if God doesn’t save us we will remain stuck in captivity. The good news it God has set us free just as he has done for Patrick.

Now that we are set free let’s do as Patrick—let’s make it our lifestyle that we will liberate others. For Patrick life took on greater momentum as he walked further on. The older he got the greater his impact. I believe God wills that sort of Umph for you and me as well. Let’s walk out our calling with zest, with passion and the enthusiasm of God himself. His provision rests upon us as we dedicate ourselves to losing our lives. We have nothing to lose other than our lives—and he will give us great joy in giving those up as well.

Happy St. Patrick’s Day! Snakes or no snakes, whether you are wearing green or not, it’s about setting people free. Let’s do it together! Thanks for being a part of the Servant Evangelism tribe.

Pare de dizer "sem igreja"? por Stephen Gray

Eu tive uma conversa muito interessante com um colega recentemente (Darrell MacLearn) sobre o uso do termo "sem igreja" para descrever uma pessoa. É um termo preferido entre a maioria de nós no mundo da igreja. Mas, devemos usar o termo para descrever aqueles que estão fora da igreja?

Primeiro, vamos definir a terminologia. When most of us refer to the church, in theory we mean “the people of God,” however in our practice we often refer to the “Unchurched” to refer to those who have not entered into the doors of our location, place of meeting or at least someone’s place of meeting. Usually the term “unchurched” focuses in on conventional models of “church” and builds a case for doing it another way. In doing so, even those who look to another mode of “church” have reduced the use of the term unchurched to a program or method of operations. Does that make sense?

If that is the case, then we are saying, “If you fall into my node, method and style of “church” then you are good.” Ainda, we all know that there are many in today’s church (conventional way of speaking) who are not Christians. By using the term, are we inferring that if someone is no longer “unchurched” then they are ok? Could someone who attends our church become churched and yet unchristian? The quick answer is “Of course!" (if you are using the term church incorrectly). Darrell was right!

Secondly, as my colleague shared, speaking to someone about being unchurched is like saying they are “un-bingoed,” and our goal is to make them Bingo players and therefore bingoed. The goal has little to do with their soul. As long as they are bingoed, they are ok. So the goal becomes to get people “churched” and less focus is placed on life-transformation.

Ben Sigman, pastor of Timberlake Church and a good friend of mine said, “We should stop using unbiblical terms to define the church, like attractional and missional, which you fidn no where in scripture, and instead talk about transformational churches.” It was a good point and one we should all pay attention too.

Maybe we should be careful as well using terms like “unchurched” and find a way to talk in terms of those not yet transformed by Jesus. That levels the playing field doesn’t it? What do you think?

Chave Evangelismo: Iniciar a conversa! por Broocks Arroz

Em meu artigo anterior “A evangelização não é apenas a relação” Eu alegou que não devemos hesitar em compartilhar o Evangelho, mesmo se não temos um relacionamento com a pessoa. Minha esperança é levar as pessoas a falar sobre o Evangelho. Sim, pregar o Evangelho àqueles que entram em contato com.

Se tentarmos construir um relacionamento genuíno com alguém e deixar de mencionar a nossa fé seja uma das duas coisas é verdade. Ou essa relação não é muito profundo ou nossa fé não é .

Ainda, grandes ganhadores de almas também são relacionalmente inteligente. Eles são bons em conversas de partida que, eventualmente, levar a Deus e ao Evangelho. Também é importante lembrar que o evangelismo envolve escuta, não apenas falar.

A princípio eu gostaria de introduzir é chamado SALT: Suma conversa torta, Aperguntas sk, Odeus, e depois Tell a história.

Em muitos casos, quando se procura maneiras de engajar os incrédulos, é fundamental para fazer-lhes perguntas e, em seguida, realmente ouvir antes de apresentar o Evangelho. Quanto mais você ouvir a opinião dos outros ou a falta dela, mais eles vão ouvir quando você contar a história do Evangelho e como ele tem impactado você.

Pessoas que nunca vi mais abertos a discutir coisas Deus e espirituais como estão agora - tanto quanto iniciar uma conversa vai. Apenas lembre-se de respeitar a pessoa que você está falando, ouvindo atentamente o que eles dizem. Você será espantado em como eles retornam a favor.

Nós desenvolvemos uma ferramenta para ajudá-lo a se envolver aqueles que o rodeiam, desta forma. É chamado O teste de Deus. Para obter mais informações, visite GodTest.Org ou RiceBroocks.Com

5 Obstáculos ao Evangelismo por Doug Murren

Tudo o que tem a ver com a comunicação funciona em alguns obstáculos. Trazendo uma mensagem de esperança pode até ter dificuldades que tem de enfrentar. Ao tentar empurrar alguém nos braços de Jesus há cinco obstáculos à evangelização você deve estar ciente de.

Uma: Quais as opções que eu vou desistir?

People are smart they know in reality nothing is free. And following Christ does have some requisites and we all know it. The gift of faith via prevenient grace is one. The willingness to repent is another. And the beginning of the experience of total surrender is another. Turning salvation into a quick prayer just isn’t honest.

You need to be honest and make part of your message a clear indicator of what options you give up when you receive Christ. And what new options you gain.

If you can get your friends beyond this consideration you have gone along way toward doing some real nudging.

Two: Am I making a mistake?

Believe it or not one of the chief fears of people is that they may be making a mistake. People have an aversion to being wrong. People have to be convinced that they are making a credible step or they will resist your message.

Do you know enough to thwart this great fear the enemy uses? Let’s face it a personal experience of your own can be very authoritative and genuine. Be ready to help a friend know that they are not making a mistake. Show that the greater mistake is to not receive the message.

Three: Peer Pressure

The next question you need to work through is, what will this cost me relationally?

This is a big one. In our community we have a strong Mormon presence. And we have many converts from Mormonism in our church. Their step toward the Gospel was a costly one for most.

People do decide to change or not change partly based on how will their friends think about there choice. It helps to address this hurdle when nudging. How you go about that will depend upon the person and their circumstances. I like to reference this issue when I am speaking publicly about the need for Christ in my friend’s lives.

Four: Am I going to look foolish?

I think this fear is a predominate one in people’s lives. No one wants to look like a nut case. It is essential that we uphold the wisdom of a decision for Christ. I like to recount great leaders who have been Christians when I present the Gospel to a friend.

I like supporting deal with the foolishness of not deciding for Christ when I have someone’s ear. Churches should have an environment that makes sense for this reason. People are already afraid of looking foolish and if we confirm it to them we lose.

Five: Is it going to cost me too much?

Everyone has a threshold as to what life currency he or she is willing to spend. I like to make people aware of that fact that God was not cost adverse when He gave His only Son for us.

We shouldn’t try and make it too easy for people or we will have faulty conversions. A quick easy careful prayer just isn’t receiving Christ. I must pause and surrender fully to Him and His vision for me not my own. It cost everything to be a true follower of Christ and we should address this.

Quando Evangelismo Servo se torna uma rotina por Marty Boller

outreachEu não tenho certeza quando o termo "servo evangelismo" ficou em primeiro lugar em jogo. Nos primeiros dias do movimento Vineyard, Steve Sjogren foi a primeira voz que ouvi falar de focar uma comunidade da igreja toda em torno da idéia de servir de fora através de práticas, leis aplicáveis ​​de bondade. Minha igreja Vineyard em Cedar Rapids, Iowa tem estado ativamente envolvido com evangelismo servo para o bem dos nossos 13 anos de nossa existência. Em 1998, quando começamos a nossa igreja, era comum para a nossa equipe de plantação pequena igreja de estar envolvido em eventos SE quase todo fim de semana.

Fizemos lavagens de carro grátis, brindes grátis da garrafa de água, livre bairro de folha raking, cravos gratuitos para as mães no Dia das Mães, pá de neve livre, etc. etc. Era comum naquela época que, quando uma nova pessoa, começaram a vir à nossa igreja, nós sabíamos que eles estavam hospedados quando vimos eles no nosso próximo sorteio! E enquanto eu não posso negar que fizemos esses eventos evangelísticos servo em nossos primeiros dias, porque nós estávamos tentando plantar uma nova igreja, com o tempo eu acredito que alguns de nós realmente pegou o bug SE e decidiu que era uma boa coisa a fazer, mesmo quando não era tudo sobre a construção de uma nova igreja. Na verdade,, como eu vejo, evangelismo servo nunca deve ser sobre a plantação ou a construção de uma igreja, mas sobre as pessoas simplesmente amorosos não sabemos. E como Steve Sjogren tantas vezes nos ensinou ao longo dos anos, as palavras não podem expressar o quão emocionante é dar algo sem amarras.

Mas não é interessante que ao longo do tempo, nós, os cristãos podem ter algo que está em seu "núcleo algo novo e fresco e torná-lo em uma rotina, ou pior ainda, um projeto de igreja? E assim torna-se, com muitas igrejas, como nós crescemos e entrar em instalações do nosso próprio. Quando olho para trás, Eu vejo como a minha igreja deixou de ter um "livremente recebeu-livremente dado por" atitude sobre evangelismo servo de um modo de programação que pode fazer SE tudo sobre o crescimento de nossa igreja e para medir resultados. Infelizmente, à medida que crescem, o conceito de atos aleatórios de bondade tendem a evoluir para altamente desenvolvido, programas de bem-planeada de fora de evangelismo servo. E de alguma forma, de alguma maneira, a verdadeira alegria de fazê-SE pelas razões certas é quase perdido.

Hoje, enquanto eu escrevo estas palavras, Estou orando sobre o que poderia ter em nossa igreja bem estabelecida para voltar mais uma vez para o despreocupado, light-hearted brindes espontâneas SE que apreciou uma vez quando éramos menores. Eu estou supondo que poderia haver outros pastores lá fora, que compartilham o mesmo sonho. Nas últimas semanas, Eu estive blogando sobre que tipo de mudanças pode precisar acontecer na minha treze anos de idade, igreja, a fim de voltar para as alegrias de fazer simples Unido ministério de evangelismo só porque Jesus ama-lo dessa maneira. Junte-me no meu blog e dialogar sobre algumas de suas idéias, bem. Juntamente com a ajuda de Deus, Acredito que só poderia ver uma nova onda de SE, por amor do seu nome!

Escutar a Deus ... Realmente? por Jason Taylor

Parecia que eu tinha tentado de tudo! De soltando milhares de ovos de um helicóptero para enviar o que parecia ser milhões de cartões postais, mas nossa igreja não estava recebendo os "resultados" que todo mundo tinha ficado. Eu contratei treinadores e mentores que me disseram "como" para plantar a igreja. Eu fiz tudo pelo livro, mas os resultados foram mínimos em comparação com o que todo mundo estava "ficando". Havia algo de errado comigo? Eu estava realmente chamado? Isso é realmente o que Deus queria que eu fizesse, começar uma igreja do zero?

Ainda me lembro do dia em que eu só vim a perceber que eu precisava parar de ouvir treinadores, livros, e blogs em primeiro lugar e começar a ouvir o que Deus estava dizendo através do Espírito Santo para a nossa igreja em nossa cidade. Foi quando tudo mudou! Eu me lembro de orar e pedir a Deus, "Qual é o próximo?"Como eu parei e ouvi, Ele falou e começou a se tornar o que Deus queria que fôssemos como uma igreja em nossa cidade.

Por exemplo, Deus disse ...

  • Mova a sua localização 9 quilômetros pela cidade para outra escola, quando você não tem o dinheiro para fazê-lo- fizemos, e começamos a crescer e Deus proveu!
  • Estabeleça uma meta para tocar 5,000 pessoas com atos aleatórios de bondade em seis meses, quando tivemos nenhum dólar para este alcance- fizemos, e as vidas das pessoas foram alterados para sempre e Deus proveu!
  • Mova-se novamente para outro local que você não pode pagar- fizemos, e Deus providenciou e desde então mais de 260 pessoas deram suas vidas para Jesus em nossos serviços!

Meu ponto é este: Não há nada de errado com coaching, mentores, e blogs, mas por favor OUVIR Deus em primeiro lugar, e Deus vai usar as outras vozes para implementar a visão que Ele lhe dá.

5 Lançamento Lições de Johnny Appleseed por Steve Sjogren

John Chapman, conhecido como o lendário "Johnny Appleseed" era um missionário que estendeu a mão para os nativos americanos no Vale de Ohio no início de 1800.

Ele tinha Ferramentas simples

Sua ferramenta principal era plantar uma vara! Você tem um pedaço de pau? Quando sua vara atual desgastou ele encontrou um novo carregador. Ouvi recentemente através da videira que gruda ainda são fáceis de encontrar!

O mais elaborado fazemos nossos planos o mais provável é que vamos falhar.

Ele ouviu o convite

Ele pegou a convite do Pai para cumprir a sua missão de vida, portanto, quando as coisas ficaram difíceis, ele foi capaz de voltar ao começo de tudo quando Deus falou com ele inequivocamente para sair em primeiro lugar.

Ele não falou sobre Outreach, Fê Outreach

Johnny entendido é sobre ativismo, não meras palavras, nem estudo preparação contínua, nem o acumular de notebooks mais legais da conferência. Ele era tudo sobre a tomada de riscos e ficar lá fora. Se ele estivesse vivo em 2012 seu lema seria, "Schmissional Missional! Pare a conversa incessante, deixar de ser uma galinha e fazê-lo apenas pelo amor de Deus!"

Fê Pequenas Coisas

Não é preciso muito para mudar o mundo. Uma pequena semente de maçã cresce na maior árvore frutífera no mundo das plantas que irão suportar milhares de maçãs.

Ele foi fiel

Ele estava todo de! Ele queimou suas pontes. Não houve retorno.

Ele viu o potencial no Reino Fé

Alguns acham difícil, se não impossível, para fazer o ministério de Johnny, porque era a longo prazo e não imediatamente cumprindo. Ele foi chamado por Deus para fazer algo grande, mas algo que não iria suportar totalmente fruto em sua vida.

Cada semente estava destinada a produzir uma árvore surpreendente que produzem milhares de maçãs para a glória de Deus. Leva o tipo de fé só Deus pode fornecer a viver a partir dessa perspectiva. Não podemos trabalhar que até. "Deus nos capacitar a capacidade de ouvir o seu chamado, independentemente da altura ".

Com ministério evangelismo servo do fruto leva um tempo para acontecer, mas garantido, mas quando uma igreja permanece fiel para servir fortemente e mostrar generosidade para com a sua comunidade circundante, resultados surpreendentes virá.

Qualquer um pode contar o número de sementes em uma maçã,
Mas só Deus pode contar o número de maçãs em uma semente.

Robert H. Schuller

Lições de Stubby The Cat…cutucando outros a Cristo por Austin Cooper

Eu tenho que admitir que eu costumava odiar gatos. Eu nunca entendi por que alguém iria querer um animal que esconde 20 horas do dia e assobia para você do outro 4 horas quando decide enfeitar-lhe com a sua presença. I see all the “cute” kitten pictures girls post on Facebook and all I can think is “You need a dog in your life.” Strangely enough though, my perceptions of cats have taken a complete 180 turn in the past several months due to a stray cat named Stubby that visits our house from time to time. Stubby has not only done well for his entire species, but he has highlighted a great truth that too many of us as Christians forget: Genuine small acts of love push people toward Christ no matter how far away they are from His Grace.

Stubby started coming to our doorstep early this winter and I wanted nothing to do with him. My wife and I would sometimes put out some scrap food for Stubby. He would eat it and then go his way. I liked his lack of neediness but one night it got down to 20 degrees outside so I agreed to let him in for about an hour, but no longer. While he was in our house he was playful, well behaved, clean, and actually showed his love toward us with many small gestures. After his hour was up I kicked him outside with some warm towels that he could shelter under. A week later cold weather returned and Stubby was at our door waiting for us when we got home. This time I agreed to let Stubby stay the entire night. At about 3 am I woke up to a shifting of weight at the foot of our bed. Stubby had cuddled up and was purring more than any cat I ever heard before. All of my instincts told me “KICK HIM OFF”, but I decided to let him stay. Time and time again this has happened and now when we come home Stubby is usually waiting for us doing backflips for us to come in. I have bought him play toys, I let him stay whenever he wants, he has met all of my friends, I have bought him Meow Mix, and yes I let him sleep in our bed whenever he wants. I am officially still a dog man, but little experiences over time with Stubby has me rethinking how I view cats because now I can truly say I love Stubby and look forward to seeing him every day. At first I didn’t understand what was happening, but now I see it clearly. Stubby was working a plan. Bit by bit, Stubby was nudging me toward a relationship with him.

This experience teaches a great lesson about how we as Christians need to reach out to the Lost.

There are many people in this world who are not yet ready to accept Christ. They are “Not-Yet Believers.” They are open to a gesture of kindness and love that can nudge them closer to being ready to accept Christ. Recently, I’ve heard pastors use the analogy of golfers on a golf course to represent those who are on a journey toward coming to Christ at various points of readiness to accept Christ. Some golfers are right on the green and ready to putt their ball into the hole (accept Christ), while others are so far away from the hole it wouldn’t work all that well for a putter to move them. For the person that is far away from the hole, a simple act of love can be used to get them closer to the hole where the golfer can use a putter to nudge them into the hole (to accept Christ) so that progress will take place. Progress takes place all along the golf match no matter which club is used. The lesson learned is this – use the appropriate club depending on where the ball lies, not on your affinity for a particular club. Learn to use a number of clubs!

Too many times in evangelism we focus on the end result and we want to rush people there without taking the time to show them who God is through small acts of genuine love. There are many people who are so distant from accepting Christ, that a push in His direction with a practical service may be all that God asks at that moment. I like to think that our small obedient acts of love give the lost a first impression of who God really is, and how much He loves them. If I think about my relationship with Stubby, he did not come in and demand that he sleep on my bed and eat my food right away. I would have promptly kicked him off my property. Contudo, little genuine acts of love over time gave me a first impression of cats and brought me to the point where I was ready to dive in to whatever Stubby wanted. When we grasp the truth that God uses even our small acts of love to draw the Lost to Himself, it inspires us to live a life that is bursting out with the love and kindness God has shown us. Every small act of our life becomes meaningful simply because a small act of love shown to an Unbeliever could be all God needs to draw them to a better understanding of who He is, which in effect draws them closer to accepting Jesus’ love.

Our church has recently caught fire on giving people within our community a first impression of who God is. As we focus on giving the Lost a little nudge closer to Jesus we like to perform small acts of kindness such as passing out free water on a hot day, passing out free candy, doing free car washes, raking leafs for free, or any free service that aims just to show people that God loves them in a practical way with no strings attached. The people we are serving often say, “I have never felt so loved by a Christian” or “I have never heard of a church doing something like this just to tell me God loves me”. Over time we have seen the fruit of nudging people towards Christ through small acts of love.

If Stubby can use small genuine acts of love to bring me to a place where I admit that I love cats, how much more can God use our small, genuine acts of love overtime to bring an Unbeliever to a place where they accept Him.

Hang in there as the ball moves closer to the hole. My prayer is that the Holy Spirit will inspire you to have patience.

 

Evangelistas da incredulidade por Arroz Broocks

Fui profundamente desafiado pelos esforços incansáveis ​​de homens e mulheres que avançam a causa do “novo ateísmo” nos corações vazios de ocidentais pós-modernas.

A natureza abomina o vácuo para que, na ausência de fé, descrença ou ateísmo torna-se o anti-causa. A missão destes cruzados ateus é livrar o mundo (especialmente os jovens) da fé religiosa e “superstição.” Eles carregam a sua mensagem com zelo e com o estilo de confronto que rivaliza com qualquer pregador fundamentalista. Em resumo, eles procuram convertidos - pessoas que vão “arrepender-se” da religião e siga o caminho secular à liberdade.

Caricaturas dos piores aspectos da religião se torna mais fácil para ganhar a atenção das pessoas. Misturar todas as religiões juntos, torna-se um monstruoso “palha homem” que pode facilmente assustar o ouvinte médio mais do que o próprio inferno. Tragicamente, eles estão ganhando impulso, especialmente na arena do campus da universidade e da mídia.

Se esta fosse uma luta de boxe, a Igreja estaria sentado em um banquinho no canto do ringue, Dazed and Confused e duvidar se estávamos realmente “chamado” para essa luta. O que podemos aprender com os seus esforços?

Conversando com Ourselves

Em primeiro lugar e acima de tudo: Temos de começar a envolver a nossa cultura com o Evangelho para além das paredes da igreja e parar apenas conversando com nós mesmos. A maior parte do esforço que exercemos como crentes está conversando com outros cristãos sobre ser melhores cristãos.

"Missional Igreja" é um termo que debatemos vs uma verdadeira missão que fazemos. Nós nos enganados por não obedecer à Palavra ( James1:22).

A maioria das pessoas em nossas igrejas já ouviu o suficiente para ser eles mesmos professores, mas são indefesos contra os argumentos básicos e acusações da oposição.

O Evangelho é a resposta ao clamor do coração humano, mas a falta de zelo para proclamá-lo demonstra a nossa falta de fé em seu poder.

Nós também podemos ver que se não intensificar e falar uma mensagem clara, os inimigos do Evangelho terá prazer em nosso lugar.

A história tem mostrado que Deus vai permitir que um Golias para insultar o seu povo, sabendo que alguém como David será provocado em ação.

Que sejamos sacudidos nosso estupor, sair do banco e voltar para a luta por esta geração.

Photo by lewishamdreamer.

Who Is Doing The Evangelizing? por Steve Sjogren

Eu não quero soar herética, mas tenho uma observação a fazer. Meu amigo Fred foi prolífico em levar as pessoas a Cristo nos primeiros anos de sua vida cristã, como ele saiu da cena musical em Los Angeles e apontou algo para mim eu pensei que era interessante. Ele notou que a grande maioria das pessoas que vêm a Jesus não eram muito levou ao Senhor por alguém ou por uma igreja que estava fazendo um golpe acima do trabalho de evangelismo. Ele disse que seu papel era principalmente para as pessoas fazer amizade, para compartilhar o que Deus tinha feito em sua vida, em seguida, para convidá-los à igreja, onde podia sentir a presença de Deus, uma oração simples e salvação do "Deal seria selado", como ele dizia. Você pode chamá-lo de Presença evangelismo mais de evangelismo baseado Informativa.

Centenas de livros foram escritos a partir da perspectiva de que é responsabilidade da igreja para fazer o trabalho de evangelização - e até certo ponto isso é certo. É claro claro nas Escrituras que os crentes têm um papel importante nas pessoas que conduzem ao Senhor. Não vamos mudar totalmente a equação. Ao mesmo tempo, precisamos reconhecer que Deus está fazendo bem - que uma grande porcentagem de pessoas em todo o mundo estão sendo diretamente envolvidos pelo Espírito Santo diretamente por outros meios que não os lineares de evangelismo meio.

Se isso for verdade o que isso implica sobre os nossos métodos de evangelismo? Precisamos estar fazendo um monte de plantio de sementes. Precisamos encontrar alguma medida de satisfação no ministério de cutucar muitos para Cristo se realmente vir a conhecer a Cristo através de nós ou não. Como Paulo escreveu em 1 Cor. 3:6, trata-se de plantar, rega, bem como a colheita. Antes que haja uma colheita é necessário diligentemente planta e água. Às vezes, há um monte de repetidas plantando e regando antes de uma colheita acontece. Meu professor amigo George Hunter concorda comigo - em média, em nossos dias é preciso uma pessoa sobre 12-20 conexões reveladoras de uma pessoa para ser convertido. Em suas palavras, "Steve, isso é um monte de banheiros que precisam ser limpos. "

Eu vou continuar a anunciar o Evangelho tão claramente quanto possível para o maior número possível. Ao mesmo tempo, eu reconheço Deus está em silêncio, persistentemente até algo dinâmico nos corações de muitos que talvez nunca irá se envolver na conversa.